O que são fundos imobiliários?

No Brasil ao pensar no investimento em imóveis há a cultura de praticá-lo através da compra do imóvel físico, como uma casa, prédio comercial ou apartamento, mas existem os FII (fundos de investimento imobiliário), que são compostos por diversos investimentos nessa área e são uma forma mais prática de utilizar esse tipo de investimento.

Ou seja, um fundo imobiliário é uma espécie de condomínio de investidores, que reúnem seus recursos para que sejam aplicados em conjunto no mercado imobiliário. os fundos imobiliários são ativos de renda variável.

O fundo pode ser classificado em dois tipos, os fundos de tijolo, que possuem imóveis físicos como shoppings, edifícios empresariais e hotéis, e fundos de papel onde o patrimônio é composto por aplicações financeiras do setor imobiliário, a exemplo: LCI, LCA, CRI, CRA.

Assim como os fundos de investimentos possuem o patrimônio dividido em cotas de valores iguais, onde ao investir nessa modalidade você adquirirá pequenas porcentagens de imóveis. 

Fundos desse tipo possuem um gestor especializado que, diariamente, acompanha o rendimento do patrimônio e a movimentação de mercado, onde de acordo com os resultados ele executará as movimentações necessárias com objetivo de alocar corretamente para obter máxima rentabilidade.

Portanto, a maioria dos fundos compra imóveis comerciais com bom potencial, sendo assim capaz de obter renda através da locação. 

Uma forma de visualizar seu funcionamento com mais clareza é associá-lo ao funcionamento da compra de ações, pois os fundos são listados na bolsa de valores como um “papel”, sendo essa modalidade de investimento dentro dos fundos imobiliários uma forma de ser ligeiramente mais estável por boa parte pode ser composta por aplicações da renda fixa. 

Sua rentabilidade, de característica mensal, é indicada para aqueles que desejam viver de renda ou alcançar independência financeira, tem como uma das formas de obter retorno a negociação das cotas no mercado financeiro, processo semelhante ao das ações mas possui liquidez menor; outra forma é através da valorização do bem em si, o que torna raro um patrimônio com imóveis sobrevalorizados.

Em resumo, o lucro virá de rendimento dos ativos e valorização das cotas, variando pois depende de diversos fatores como composição do patrimônio, situação do setor e valor das cotas e no caso dos “fundos de tijolo” compostos de aluguéis mensais, seu rendimento varia de acordo com conceito de vacância pois quando o imóvel está alugado seu rendimento será mais alto.

Nos “fundos de papel” os aluguéis são relacionados ao comportamento de indexadores como CDI, IGP-M e taxa Selic, que quando sobem, os dividendos aumentam.

As vantagens de investir em um fundo imobiliário são seus ativos com baixa volatilidade e rendimentos mensais fixos, que muitas vezes superam indicadores da renda fixa, como taxa Selic, juros baixos que estimulam o investimento em produção e surgimento de novos negócios, indicando aumento na demanda por empreendimentos imobiliários, facilidade de compra e venda que pode ser feita através de corretoras online, liquidez que proporciona a venda do título a qualquer momento, opção para diversificar sua carteira de investimentos, maior rentabilidade que um imóvel físico, isenção de imposto de renda ao contrário do aluguel recebido de propriedade direta.

Há desvantagens como a dependência de uma gestão eficiente e custo de corretagem, algumas corretoras isentam esse custo por isso é preciso pesquisar.

Para escolher o melhor fundo imobiliário e investir fique atento ao comportamento do setor, o preço do fundo em comparação ao valor esperado para o que oferece em rentabilidade, olhe como o fundo escolhido tem se comportado individualmente e verifique quem são os gestores da empresa por trás do fundo, histórico e outras informações essenciais para ajudar na escolha,

Existe uma única tributação nessa modalidade, o imposto de renda, onde ao vender suas cotas você terá a cobrança da alíquota de 20% sobre os lucros obtidos. Também possuem riscos como volatilidade, por estar exposto na bolsa de valores, com influência direta do desempenho do setor imobiliário no valor das cotas, risco do setor pois estão relacionados aos períodos de vacância, comportamento dos corações e inadimplência, má gestão e liquidez 

Ao entender melhor as vantagens, desvantagens e funcionamento dos fundos imobiliários além da diferença entre “fundos de tijolo” e “fundos de papel” você é capaz de escolher fundos com ativos que você concorda, para ter controle da adequação desse fundo ao seu perfil investidor e terá menores chances de comprometer seu capital financeiro. 

Se ainda não começou aplicar seu dinheiro pois você tem medo de investir, saiba que sentir medo é perfeitamente normal, mas quando te impede de sair da zona de conforto, esse medo pode estar adiando sua tranquilidade financeira

 E você não percebe que muitas vezes essa emoção está baseada em mitos. Para te ajudar a começar a investir te convido a conhecer meu e-book invista sem medo, onde eu compartilho informações valiosas para você entender como diminuir esse receio e começar logo a colher os frutos de seus investimentos.

Gostou do texto de hoje?

Curta, Comente e Compartilhe!

Deixe uma resposta